publicado por Lisboeta1970-, em 06.08.13 às 19:41link do post | favorito

A legislação, e por conseguinte os tribunais e seus intervenientes, são uma cambada de serviçais comandados por ladrões, cujo único objectivo é ficar com os bens alheios (trabalhar tá quieto).

 

Agora até vem um advogado que quer anular a condenação de Jesus Cristo, e como é possível anular uma condenação, se nem sabe a morada, o nome completo, a data exacta da ocorrência, etc., de Jesus Cristo, na altura da ocorrência em questão; e pior é o tribunal aceitar esta fantochada.

 

www.tvi24.iol.pt/acredite-se-quiser/jesus-cristo--condenacao--advogado--ola-indidis-acredite--tvi24/1477183-4088.html

 

Mas, o cúmulo é a legislação penalizar, as mulheres que usam o corpo, em actividade sexual, para ganhar dinheiro, e penalizar os homens que paguem por sexo... Já se um homem, ou mulher, arrancar um dente e vender o dente, é legal, o mesmo se cortar um dedo e vender o dedo, é legal, o mesmo se cortar um braço e vender o braço, é legal, o mesmo se extrair um rim e vender o rim, é legal, mas, se alugar o seu tempo para se colocar em posição sexual e permitir que seja penetrada pelo sexo do pagador é um crime grave, e até pode dar prisão se estiver envolvido no negócio!

 

Só mesmo no século XXI, podia ser assim, e logo nos calhou na rifa, tais polícias amigos do alheio, os quais retiram, o dinheiro, dos pobres e fracos, ou daqueles que preferem vida fácil, a chamada puta, e sempre que eles apanham uma puta, ficam com o dinheiro, ficam com o telemóvel, desligam números telefónicos, etc.; isto nas cidades, nas vilas, nas aldeias, é o homem portador de arma de fogo que oprime e controla tudo (o mesmo que crucificou Jesus Cristo)!


De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Agosto 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
22
24

26
28
29
30


pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds