comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 02.06.14 às 21:44link do post | favorito

Houve um cabrão que queria agitar as coisas no PS, mas, recuou, agito, não agito, é esta indecisão que dá cabo do político comum, dos da actualidade:

 

expresso.sapo.pt/blogue-costista-comparou-seguro-a-hitler=f873624

 

Mas, eu colei um pedacinho de papel no ecrã, pintado de preto, a fazer de bigode, e até fica parecido, por isso, acho, eu, claro, penso, que, podia ter deixado o comentário no blogue, era só colocar o bigodinho, e se puser graxa no cabelo, bem penteadinho, então fica a fotocópia...

 

O Seguro e o pápa Francisco juntos, deus nos acuda, até o diabo foge! Qual Hitler, qual quê, o que o Hitler fez passaria a ser considerado coisa de meninos...

 

Vá-se lá perceber esta comunicação social, onde os políticos dizem todas as barbaridades e declaram os abusos que cometem, e os outros, os zé-ninguéns que se calem, que o partido fica ofendido. Grave, muito grave. Falta de fair-play, logo agora que vai começar o mundial no Brasil... Eu mandava queixa para a UEFA e falava com o árbitro!


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 11.01.14 às 20:26link do post | favorito

Fazia-se uma experiência social, comprava-se uma ilha no meio de um oceano qualquer, e informava-se vários indivíduos, o Cavaco, O Coelho, o Portas, o Jerónimo, o Seguro, que tal ilha, não tem país, nem governo, e que eles iriam ser exilados nessa ilha, a qual tem comércio local, o qual é garantido ùnicamente pelos próprios comerciantes, que negoceiam no país mais perto, mercadorias por troca directa...

 

No dia seguinte, a tais indivíduos chegarem à ilha do exílio, os comerciantes locais seriam informados pelo Coelho, verbalmente, que passariam a pagar taxa, pois tal taxa é necessária para o bem-estar da ilha...

 

No mês seguinte, começariam a chegar secretários vindos do país Portugal, com o propósito de montar gabinete na ilha, um para cada um dos exilados...

 

Passado um ano, na ilha, o Coelho declararia a falência da ilha, com uma dívida pública incomportável!

 

Este relato é uma lição, pois se eles, os cinco magníficos, conseguem sacar dinheiro aos outros, sem nunca ambas as partes, se terem conhecido, ou sequer terem tido qualquer relacionamento comercial, acho que qualquer um pode aprender com o exemplo deles e começar a sua micro troika... (se isto não é o proxenetismo, onde o gajo chega ao pé da prostituta e diz-lhe, paga o que me deves, e ela diz, nunca o tinha visto antes, porque lhe devo dinheiro, e é quando ela leva a primeira chapada, seguida do primeiro pontapé; ora, ou aqui é um país de prostitutas ou então Portugal está doido).


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 06.09.13 às 14:18link do post | favorito

Agora passam a não serem necessárias licenças, mas, as câmaras municipais licenciam os graffitis dos requerentes! Confuso no mínimo, como, todos os documentos publicados em diário da república, até porque nunca informa qual o enquadramento legal do mesmo...

 

sol.sapo.pt/inicio/Sociedade/Interior.aspx?content_id=83545

 

Hoje, no "Jornal da Uma" na TVI, mostraram o José Seguro, do PS, a lavar paredes sujas com tinta de spray, e na minha opinião, ou foi o próprio José Seguro que sujou a parede com tinta de spray, ou quer cumprir pena (à sua maneira, sem que ninguém perceba) de acções cometidas por ele no passado (pintou e sujou paredes com mensagens e desenhos)...

 

O José Seguro é o típico atrasado mental, com duas caras, ou seja, quando está em público é um cidadão cumpridor e honesto, quando ninguém está por perto é um marginal que estraga os bens alheios. Aliás uma câmara escondida fàcilmente o apanha na sua conduta dupla (e com este até é obrigatório violar a sua privacidade)... Quem não o conheça que o compre!

 

A questão é se estes gajos da política e justiça podem ter cadastro, se podem praticar crimes, e mantêr o exercício de funções. Toda a gente sabe que fazem tudo para ganhar dinheiro, desde negócios, a extorsão (do tipo, ou pagas, ou estrago o que é teu), até à fiscalização sem encomenda do serviço e com aplicação imediata de coima ou apropriação de bens do presumido infractor (o típico polícia/juiz/executor).

 

E não tem diferença entre partidos políticos, todos eles passam a vida a sujar paredes, com cartazes, com tinta, enfim, com o exercício do direito a se exprimirem, forçando os outros a tomarem conhecimento das suas más condutas...

 

É como os tribunais não terem câmara escondida visível na internet, aí é que se descobria as duplas condutas de gajos que não servem nem para limpar o próprio rabo (desde, juízes, advogados armados em juízes, funcionários armados em advogados, polícias armados com pistola, etc.). E só assim, com uma sociedade aberta, o cidadão podia exercer cidadania e governar a sua cidade, impedindo os infractores de prejudicar os outros.

 

Voltando à lei dos graffiti, só demonstra a falta de legislação na protecção do cidadão, o qual pode estar a passear e leva com os vapores de tinta na tromba, porque não precisam de licença, e como tal é o vale tudo, e como a tinta é tóxica o pintor usa máscara, mas, quem tiver o azar de passar no local fica com os pulmões atacados, e na certa, uma dor de cabeça para o resto do dia!


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 04.05.13 às 16:49link do post | favorito

O governo e as suas patranhas... E eu ainda acho que o ideal é dar, nas próximas eleições, a maioria absoluta ao PSD. Não que eu seja militante ou apoiante desse partido, aliás os partidos políticos portugueses são todos um embaraço ao povo e população nacional, e a vergonha da Europa, mas, a maioria para o PSD é o ideal pois obriga esse partido a cumprir com as medidas necessárias para evitar o colapso dos bancos.

 

Mas, isto do António Seguro dizer que acaba com as dívidas das empresas, está a referir-se às empresas dos socialistas que devem milhões à segurança social, e ao alterar a legislação para que as dívidas sejam anuladas, acaba com o sistema de pensões de vez. A única ilegalidade nestas legalidades é que o trabalhador ficou sem o dinheiro em pagamentos descontados da sua retribuição para garantir que tinha direitos na doença ou velhice, e afinal ficou sem o dinheiro dos descontos e taxas e contribuições, e agora que está doente ou velho, vai ficar sem os seus direitos adquiridos ao longo da sua carreira de trabalhador... O facto é que o slogan do PS devia ser, "Porquê adiar o inevitável?", ou seja, acabem de vez com os direitos dos trabalhadores, e os trabalhadores e reformados que morram à fome e de doença, pois tais trabalhadores e reformados não servem para nada, pois o importante é a contabilidade do estado português socialista.

 

Mas, por outro lado, o que se passa com o sistema das pensões, é o mesmo que se passa com os seguros, nomeadamente, os seguros de, automóvel, actividades de risco, pessoais, roubo, PPR, etc., ou seja, é tudo obrigatório em certas situações, os que pagam tais mensalidades acabam muitas vezes por ficar sem o dinheiro e sem qualquer apoio quando sofrem a eventualidade que o seguro dizia na brochura que protegia. E porquê? Porque o dinheiro das mensalidades de cada segurado está em parte nenhuma, desaparece, e acaba em fundos de terceiros, e a causa principal é que nem sequer existe a empresa dos seguros, é tudo clandestinos, que convencem agentes legalizados, os quais têm tudo legal, e depois entregam o dinheiro à central que é clandestina (sem legalidade para existir, comercialmente, ou institucionalmente), mas lá que estão estabelecidos estão. O mesmo se passa com a segurança social e fisco estão estabelecidos, mas na clandestinidade, sem qualquer enquadramento com a legislação, até porque tanto a segurança social e fisco para cumprir com as suas obrigações legais tinha que ter, batalhões, e batalhões de fiscais (instruídos e habilitados), os quais não existem porque é incomportável, em termos salariais...

 

Seja como for, quem é obrigado a pagar e contribuir, e a efectuar depósitos legais, seja o que for, se é obrigado a entregar dinheiro, e não recebe bens ou serviços que encomendou, está a ser burlado, e vai ficar sem o dinheiro...


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 28.04.13 às 18:57link do post | favorito

Estão doidos, os socialistas, colocarem o Seguro a discursar em Aveiro como se Portugal estivesse em acto eleitoral!

 

rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=27&did=105557

 

A maioria absoluta (lol) para desistir a meio do mandato assim que as políticas apresentadas resultarem em mais despesa e austeridade e dívida e assim...

 

Será que o Seguro pensa que é mais inteligente que o Sócrates? Ou que o PS vai a reboque dele (um zé-ninguém pé rapado)?

 

Mais inteligente seria dar, caso venha a terminar o mandato, a maioria absoluta ao PSD, porque a austeridade e a troika só se ultrapassa com políticas a médio prazo, e um mandato não chega para efectivar uma gestão rigorosa.

 

Aliás, a despesa brutal é feita exactamente da mesma maneira que se vê na televisão nacional, ou seja, montes de artistas e comediantes, que custam aos canais televisivos vários milhões mensais, para pagar as actuações diárias, dessa gente, que gastam o tempo de antena, em palhaçadas, em ficção, tudo coisas que nada acrescentam, e que tem tanto de entretenimento como vêr um gajo a dar peidos debaixo dos lençois e a seguir cheirar enquanto os abana... Quando se podia produzir vídeos caseiros sem grandes produções e despesa, que o resultado e audiência seria igual... O mesmo acontece no parlamento e câmaras, montes de políticos e auxiliares, que custam vários milhões mensais, para pagar os salários milionários, dessa gente, que gastam o tempo de governação, em palhaçadas, em utopias, tudo coisas que nada acrescentam à cultura e produção no país!


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 11.04.13 às 22:19link do post | favorito

Então, mas, se o Passos Coelho é o coelho que sai da cartola, o que somos nós, meros mortais, que pensamos ser o Passos Coelho o primeiro-ministro de Portugal?

 

Somos insectos, tipo, uns são pulgas, outros de nós carraças, alguns são percevejos, etc., e vivemos do sangue que sugamos do coelho... O coelho, o hospedeiro em que vivemos actualmente é a nossa fonte de alimento, e como tal, o colocamos no pedestal, neste caso o coelho...

 

Se o Seguro vier a ser primeiro-ministro, significará que abandonámos o coelho e passámos a habitar no corpo de outro animal, no caso do Seguro, acho que tem aspecto de ser um cão, aquele cabelo mais parece ser uma mistura de pêlo encaracolado!

 

E o anterior, o Sócrates acho que seja um gato, por causa da sua altivez...

 

Ou seja, passámos de um gato para um coelho, e o próximo parece que iremos para um cão, o que tudo aponta para, que tais animais, superiores a nós, em tamanho e capacidades, habitem numa quinta, e tal será fácil de verificar se encontrarmos, as galinhas e pintos, cavalos, vacas, e quem sabe até porcos...

 

Nós os parasitas de tais animais, projectamos toda a nossa vil existência num cenário de vips e não-vips, ou seja, aqueles que servem de alimento são vips, e aqueles que se alimentam dos vips são não-vips.

 

Apesar deste texto ser uma loucura, não significa que não possa ser real, pois existe muito filósofo que defende exactamente que aquilo que achamos ser real, não passar de uma ilusão; inclusive Platão com a sua alegoria da caverna...


mais sobre mim
Maio 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds