comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 05.06.14 às 01:25link do post | favorito

O pápa, a igreja, a polícia, o governo, etc., todos eles têm uma coisa em comum, um querer, uma vontade, uma constante intenção, de controlar todos e tudo... À primeira vista, pode ser algo exagerado, mas, quando se estuda a igreja e os seus ensinamentos, onde ensina que apenas se pode adorar a um deus, é que tudo se torna claro, pois tais pessoas que formam o conjunto do modelo a seguir, os detentores da verdade, esses padres e doutores, eles não querem saber de deus, eles querem é obrigar os outros a obedecer, deus é apenas o objecto que eles usam a torto e a direito para controlar os outros... Não farás isto, não terás mais que uma mulher, não chuparás pilas, etc., seja lá o que o correcto fôr, eles não querem saber, desde que eles possam mandar nos outros, castigá-los, mesmo prendê-los como animais em jaulas, tudo vai bem... Só não vê a verdade quem não quer saber!

 

Fanáticos! É uma sociedade de fanáticos, onde todas as violações são feitas por eles mesmos, mas, quem leva com a culpa são os outros, e sempre do tipo, o quê, o que fiz eu... Não fez nada, mas, como eles mandam pôr a culpa neste ou naquele, até ao calhas, assim acontece, ainda em pleno século XXI, a doença mental, o esconder da doença mental, o culpar e ser perseguido pelos outros, continua bem vivo nas mentes dos que querem mandar nos outros.

 

Aliás, qualquer pessoa que examine em si mesmo a existência da polícia, verificará que tal não passa de uma loucura comum a muitos de nós, um gajo andar de arma de fogo e outras, no meio de todos, quando todos nem um canivete podem ter (caso a lâmina seja comprida), e se o gajo da arma decidir que viu um flagrante delito, o presumível culpado fica sem dinheiro ou pior, vai preso. Tal não passa de puro fascismo, democracia no sentido em que um indivíduo faz o que quiser, desde que o consiga fazer, mesmo que seja contra a vontade do outro (violação da moral e santidade individual e do direito de escolha), tal abuso de poder democrático é praticado por um, ou vários, que mesmo que não sejam autoridade, fazem-no por vontade de mandar, ou para conseguir algo que queiram furtar, de forma que o assaltado não perceba que está a ser assaltado, mas, que pense que está a ser punido por alguma infracção. Claro que se poderá dizer que o polícia apenas quer proteger o bem alheio, mas, quando alguém começa a defender e a lutar por aquilo que não lhe pertence algo está errado... Porque lutam os polícias todos os dias para combater o crime, será que é porque não querem concorrência, eu acho que sim, mas, também pode ser porque querem ganhar dinheiro a defender os outros, mas, tal não faz sentido, pois os outros ficavam sem o dinheiro se o ladrão os atacasse, e assim ficam sem o dinheiro na mesma para pagar ao polícia para os proteger... E quando são roubados por ladrão perdem a dobrar! Uma sociedade, onde um indivíduo ou colectivo de indívíduos pode decidir por outro indivíduo sem que esse indivíduo o tenha encomendado, é uma sociedade de criminosos, um regime democrático, um abuso de poder em todos os sentidos, com o conhecimento da comunidade internacional e que nada faz para avisar ou comunicar aos prejudicados, o que lhes andam a fazer, dia após dia.

 

Uma sociedade que pode mexer nas contas alheias, e ficar impune, mas, para não se punir, é preciso que seja impossível mexer nas contas alheias...


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 06.03.14 às 20:56link do post | favorito

Não sou de rezas e pedidos aos deuses, mas, lá que agora era um bom dia para cair várias bombas na rua de São Bento, em Lisboa, era...

 

Se cair ali as bombas agora, acaba-se com, uma das maiores quadrilhas de criminosos, e gansters e mafiosos às centenas, e ao mesmo tempo resolvia-se um grave problema social; livrar a população daqueles que não trabalham, e ficam com o dinheiro dos que trabalham, e ainda os espancam e multam!

 

Aliás a demonstração que não são agentes de autoridade é que se fossem agentes, estariam a exercer ao abrigo da autoridade e entrariam nas escadarias ou noutro local que fosse necessário para executarem o assunto que ali os levou... Nas horas vagas são gajos com armas de fabrico caseiro (e alguns até usam as armas de serviço), as quais são usadas para abusar das mulheres (são quase todos casados e todos pelintras, pois apenas têm o salário de polícia, e as mulheres não casam com pelintras, mas casam com quem as ameaça de morte) e comerciantes locais!

 

Bomba já, por favor! Vá lá só uma pequenina!


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 31.01.14 às 00:56link do post | favorito

Coisas como a cidadania, referindo-se apenas a uma pessoa, faz-me sempre pensar no tempo da escravidão, e a escravidão não tem a vêr com, a cor da pele, o dinheiro, tem a vêr com o poder, o poder das armas sobre a outra vida. Claro que o dinheiro pode comprar mãos com armas. Voltando à lei, todos vocês não são juízes, e por isso não têm qualificações para interpretar a lei, eu não sou um cidadão, e nem vocês são cidadão, também. Cidadão é um grupo de pessoas responsáveis ​​por aqueles que tiverem cartões de identificação emitidos por esse cidadão, então, por favor, todos vocês estão falando sobre as taxas e as leis, e tudo o que eu ouço é escravidão, quando muitos polícias tentam apoderar-se do que apenas uma pessoa possui, seja, o João, a Vânia, vocês o nomeiem!

 

Sim, a lei diz que o cidadão não pode ser deportado, mas, isso são, os deputados, e o xerife, e outros que tais, os quais não podem ser deportados para a prisão. Pessoas como, o Mário Soares, os quais tiveram na prisão, são tipo, escravos... Logo tais gajos que aparecem na ARTV não são deputados, pois são da mesma classe que o Mário Soares, e por isso podem ser deportados para a prisão!

 

Os polícias têm aparente poder sobre as vidas dos outros, mas, acho que não é bem assim. Aliás creio que os mortos, os corpos desses assassinados, que apesar de já não terem existência no nosso meio, porque não estão visíveis aos nossos olhos, continuam muitos deles a andar na face da Terra. E é por isso que os que matam ficam em graves situações, pois a lei obriga, tais mortos, a atormentá-los. E também, é por isso, que não estamos já todos mortos, mas, apenas considerados, escravos, por tais polícias...


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 24.10.13 às 00:53link do post | favorito

Então o orçamento do estado do Portugal democrático aka Socialista, cortou a despesa da polícia judiciária das munições, vulgarmente chamadas de balas.

 

www.noticiasaominuto.com/pais/120142/policia-judiciaria-sem-balas-em-2014

 

Porra, que o orçamento de estado serve para comprar tudo... Desde, televisores, computadores, livros, mobiliário, papelaria, etc.; o que significa que o estado, prefere adquirir toda a espécie de bens a cuidar da população, nomeadamente, reformados e pensionistas, os quais na sua maioria são, idosos, ou inválidos...

 

Aliás é preocupante verificar que, os lares, e instituições, que prestam serviços, a idosos, acamados, deficientes, chegam a furtar os seus haveres pessoais e pior, colocam-nos a efectuar trabalhos manuais, os quais são vendidos, aos familiares, e em eventos... Tudo para ficarem com mais 50 euros no bolso... Pode parecer exagero, mas, não é... Obrigam tais inválidos para o trabalho, a ocupar os seus tempos livres com, pinturas, costura, etc., na esperança de encontrar algum picasso! Safa.

 

Ora se o estado corta nas munições, só pode significar que adquiriram armas de raio, e raio prejudicial ao corpo humano, só espero que seja mortal, que assim livramo-nos dos ladrões e polícias (os ladrões e polícias são todos gente da mesma mentalidade, ficam com os bens alheios, uns porque não querem trabalhar, e os outros porque querem impôr regras que sejam lucrativas).

 

É claro, que muita população irá morrer sem explicação, fulminados em plena via pública, porque, ou se esqueceu de fazer pisca, ou não parou na passadeira, ou desobedeu à ordem de algum agente policial... As funerárias agradecem.

 

Num único momento da história mundial, em pleno século XXI, chegou a Portugal o terror da capacidade de atrasados mentais (agente policial), ter em seu poder, arma silenciosa, sem qualquer prova visível de disparo, o que é um terror! Depois, os ladrões quando tiverem o mesmo tipo de armas irão matar os polícias, e tornar-se nos novos patrões do comércio local... Aqui nada de novo, sempre assim foi, desde que alguém nasce e assim que consegue gatinhar, é agarrar e estragar!

 

A política é que é coisa estranha, com a sua propaganda de fraternidade e igualdade, mas, em pleno cenário de terror, é como se vivessem noutro planeta, os verdadeiros lunáticos, idealistas até ao fim; nada acima do ideal, nem mesmo a vida humana. Deve ser por isso que muita gente defende a teoria que a assembleia da república é um hospício disfarçado de parlamento, onde, tal como acontece nos, lares e instituições, a velhinha fica sem o ouro, e o deficiente sem os tratamentos, para que meia dúzia de ladrões, que se fazem passar por pessoal da limpeza a técnicos qualificados, não passam de amigos do alheio, também lá, é tudo feito, para lhes ficar com as pastas e negócios de doidos...


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 21.08.13 às 16:42link do post | favorito

Por estas bandas morrer é fácil. Basta fazer algo de suspeito, à vista da polícia, e pôr-se em fuga, e desobedecer à ordem de paragem dada pelo polícia. É tiro na certa, pode é não acertar, ou se acertar, ter o azar de não ser mortal, que a pontaria deles não é grande coisa!

 

Como ninguém paga para ser morto, os polícias disparam de borla, porque se não fiscalizam a ocorrência não recebem. O mesmo se passa nas operações stop, pois se uma viatura mandada parar, ignorar a ordem, leva logo com chumbo (parece que desobedecer coloca em perigo os outros utentes da estrada)...

 

Por isso, a eutanásia aqui, é de borla, e só um doido é que vai ao estrangeiro pagar para ser morto por médico, quando cá, o que não falta é pistoleiros, prontos a acabar com a fuga ao serviço policial.

 

P. S. Os desempregados que queiram suicidar-se, também podem usar a polícia, assim escusam de andar a poupar euros para comprar veneno para ratos...


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 06.08.13 às 19:41link do post | favorito

A legislação, e por conseguinte os tribunais e seus intervenientes, são uma cambada de serviçais comandados por ladrões, cujo único objectivo é ficar com os bens alheios (trabalhar tá quieto).

 

Agora até vem um advogado que quer anular a condenação de Jesus Cristo, e como é possível anular uma condenação, se nem sabe a morada, o nome completo, a data exacta da ocorrência, etc., de Jesus Cristo, na altura da ocorrência em questão; e pior é o tribunal aceitar esta fantochada.

 

www.tvi24.iol.pt/acredite-se-quiser/jesus-cristo--condenacao--advogado--ola-indidis-acredite--tvi24/1477183-4088.html

 

Mas, o cúmulo é a legislação penalizar, as mulheres que usam o corpo, em actividade sexual, para ganhar dinheiro, e penalizar os homens que paguem por sexo... Já se um homem, ou mulher, arrancar um dente e vender o dente, é legal, o mesmo se cortar um dedo e vender o dedo, é legal, o mesmo se cortar um braço e vender o braço, é legal, o mesmo se extrair um rim e vender o rim, é legal, mas, se alugar o seu tempo para se colocar em posição sexual e permitir que seja penetrada pelo sexo do pagador é um crime grave, e até pode dar prisão se estiver envolvido no negócio!

 

Só mesmo no século XXI, podia ser assim, e logo nos calhou na rifa, tais polícias amigos do alheio, os quais retiram, o dinheiro, dos pobres e fracos, ou daqueles que preferem vida fácil, a chamada puta, e sempre que eles apanham uma puta, ficam com o dinheiro, ficam com o telemóvel, desligam números telefónicos, etc.; isto nas cidades, nas vilas, nas aldeias, é o homem portador de arma de fogo que oprime e controla tudo (o mesmo que crucificou Jesus Cristo)!


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 17.01.13 às 22:35link do post | favorito

Caso ainda não saiba, esses políticos que mandam no país, têm imunidade porque quando são encarcerados, e processados pelo sistema judicial, o gangue deles toma acções e comunica com os responsáveis pelo sistema judicial, e são logo postos em liberdade e os processos arquivados. É assim, quer acredite, quer não.

 

Uma forma de provar esse facto, é que as pessoas que têm imunidade perante a justiça, são pessoas com uma educação superior, que estão num nível social bastante elevado, por vezes de topo, e essas pessoas não praticam crimes, não praticam infracções, mesmo... Mas, esses políticos que mandam no país, ignorantes, como qualquer comum criminoso, dizem, que se praticarem crimes ou infracções, estão livres, porque têm imunidade! lol

 

Depois à os outros políticos, aqueles que como os trabalhadores, levam a política como uma função ou actividade, disponível nas cidades, e países, mas, que nada podem fazer contra as forças armadas, sejam, elas de polícias ou criminosos, e estes dois são na realidade uma simbiose, pois os polícias só servem de utilidade se houver ladrões, e os ladrões só conseguem sobreviver à captura, se a polícia existir, porque os donos geralmente não fazem prisioneiros, é mais ou corta-lhe uma mão, ou mata o ladrão, para cortar o mal pela raiz.

 

Depois, existe o Coelho do PTP madeirense, e esse nem eu sei, o que ele é; político não parece; político que manda no país também acho que não; parece um camponês que circula naquele meio e acaba por levar as coisas a peito, ou seja, torna a sua campanha, numa coisa pessoal e individual (sicnoticias.sapo.pt/pais/2013/01/17/deputado-do-ptp-na-assembleia-madeirense-condenado-a-18-meses-de-prisao-com-pena-suspensa-1)!


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 14.11.12 às 22:08link do post | favorito

Podia ser o título de um movimento popular, cujo objectivo fosse acabar com, a Espanha, Bascos, e Portugal, e criar um novo país e estado que engloba-se toda a crise espanhola e portuguesa, e cujo país fosse de dimensões similares à França, e assim tentar resolver os problemas que assolam esses três territórios autónomos.

 

O país chamaria-se a Ibérica.

 

Declarava-se falidos todos esses territórios, e depois, abria-se (similar a uma empresa), um novo território referente a toda a península, livre de qualquer dívida!

 

Proponho um referendo nacional tanto em Espanha como em Portugal, e quem sabe até podia ser uma federação, similar ao Brasil... Como está é que não vai a lado nenhum, nem para a frente, nem para trás (estagnou)!

 

O facto é que a Espanha tem muito território sem população, ou com um número muito baixo de habitantes por quilómetro quadrado... E os portugueses são muito bons a pavimentar e a construir, mas, com a construção civil a abarrotar de pessoal, chamado, "o preto" ou "catota"... E por incrível que pareça são os com menos dinheiro que fazem mais filhos, ou seja, malta das barracas tem sempre dez filhos, ou mais, o que significa que não gostam de televisão e para meter ao bolso os euros que recebem da Solidariedade, ou, dedicam-se ao rapto e extorsão de dinheiro aos familiares da criança, e mais os euros da Solidariedade...

 

Aliás este é o mote nacional, a todos os níveis, os activistas, só registam empresas para ter acesso a empréstimos e subsídios, os autarcas só administram as populações para ter acesso a fundos, etc.; aliás, regra geral, se quiserem promover produtos, é só publicar que quem adquire tal produto, tem direito a requerer dinheiro, e o negócio terá clientela garantida...

 

Quanto a Portugal, a polícia continua a dar porrada a torto e a direito, e os criminosos que causaram prejuízo aos polícias, que ficaram com as fardas estragadas com tinta, ficam impunes. Não está certo que alguns que praticam vandalismo, possam impedir os outros de se manifestar pacificamente.


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 01.09.12 às 20:24link do post | favorito

Anda um gajo a pagar IRS para quê? Seria suposto ser prova de que tal indivíduo é trabalhador e que recebeu salários do valor anual declarado, e descontado percentagem desse valor anual para o IRS na fonte, ou seja, o local de trabalho. Na práctica o gajo que o contratou, ou seja, o gerente ou contabilista, fica com o dinheiro no bolso dele e depois informa maus resultados, ou usa de legislação em vigor para ficar isento do pagamento, sim, porque não existe um cadastro das quantias entregues em nome de um trabalhador, o que existe é um cadastro das quantias que são pagas, mas, a entidade empregadora, paga o total de todos os trabalhadores, e não trabalhador a trabalhador. Ou seja, se um trabalhador declara no modelo 3 que recebeu um valor anual e que foram retidos uma percentagem desse valor, as finanças, não vão verificar, se o que todos os trabalhadores dessa empresa declararam ter pago para IRS, é igual ao que a empresa pagou para as finanças, ou seja, a empresa retira do salário, depois evita pagar o IRS, por razões legais, mas, o trabalhador é que fica sem o dinheiro, e as finanças não o recebem também... É falta de transparência nas contas salariais, uma coisa tão simples que é o processamento de salários, e não existe um cadastro por trabalhador, tipo, que fosse acessível das caixas multibanco, onde um indivíduo verificá-se todas as transacções efectuadas em seu nome por outras entidades, enfim, Portugal, e outras repúblicas, são o paraíso dos oportunistas que querem ganhar dinheiro sem trabalhar...

 

Eu, por outro lado sou o oposto dos oportunistas, porque no passado, tentei ganhar dinheiro a trabalhar tipo biscateiro, do género carrego as suas compras até 20 kg por 1 euro, e outras tarefas similares, as quais colocava anúncio em pequenos papéis nas caixas de correio das pessoas, e surpresa das surpresas, nunca consegui ganhar um euro, nem sequer um telefonema de curiosidade...

 

É por isso que alguém que abre uma loja, sem um planeamento rigoroso, que pense que vai conseguir compradores habituais na sua loja, está completamente errado, porque as cidades pertencem a homens e mulheres e eles mandam mesmo, a prova é a rotunda (desculpem as duas rotundas) do Marquês de Pombal, de quem o António Costa deve ser descendente do mouro que o contratou para reconstruir Lisboa...

 

Outra prova é a dualidade de critérios, ou seja, se um polícia fôr apanhado com droga nos bolsos, ou seja, substância proibida, seja lá o que isso fôr, diz que a apreendeu, e tudo está legal. Se um adulto fôr apanhado com droga no bolso, diz que a apreendeu, e já não é legal. Já os jovens estão sempre a apreender droga das mãos dos passadores, e começam logo a fumá-la, e outros a injectá-la, que é para cumprirem com os procedimentos policiais, ou seja, apreendem e destroem. A diferença é que os jovens fazem isso e ainda pagam, os polícias fazem isso e cobram, os passadores também apreendem droga das mãos dos traficantes, mas não a destroem, entregam-na a outros para estes a destruírem...

 

E é isto que a polícia quer, revistar bolsos, colocar nas suas mãos carteiras e bolsas, abrir e revistar viaturas, visualizando o interior, em busca de substâncias ilícitas, mas tal é ilegal, porque as pessoas estão sempre a apreender as coisas que são consideradas ilícitas... E porquê a droga é ilícita, mas tantos outros produtos químicos não é? A diferença não é nenhuma, pois todos são produtos tóxicos, e alguns até bem mais perigosos para a saúde...

 

O que eu acho mesmo muito estranho, é se revistam viaturas, porque é que não revistam casas, porque não batem à porta das pessoas e dizem polícia, abra vimos procurar substância ilícitas, porque apenas violam a propriedade móvel e não a imóvel também. As pessoas passam tanto tempo dentro de casa, como passam tanto tempo dentro do carro. Aliás se revistassem casa a casa, o mais certo seria encontrarem tanta coisa desaparecida, até mesmo crianças como a Maddie. Por outro lado, o que não falta é polícias fardados fora de serviço, mas sempre a revistar, e a apreender, que é como quem diz roubo à mão armada, mas, com imunidade por envergar farda oficial, sim porque nenhum autoridade os manda revistar ao calhas, as autoridades para revistar, emitem mandatos, e comunicam aos visados, das fiscalizações que irão efectuar.

 

Enfim, um gajo pode, ter substâncias ilícitas, roubar, matar, e destruir, só não pode é andar a fazer essas coisas na via pública, desde que seja feito, em casa, em túneis, em prisões clandestinas, em clubes, já não importa, é preciso é que não seja na via pública!


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 09.06.12 às 18:46link do post | favorito

Segurança em Portugal não existe, seja em, Faro, Lisboa, Coimbra, ou Porto, relativa aos bens e haveres das pessoas singulares e colectivas!

 

Aliás a única razão porque é preciso pagar taxas e outros falsos impostos é porque os ladrões querem evitar a todo o custo que exista regras... Os impostos, são as tabelas de venda ao público, ou seja, quando se vai a uma pastelaria e se pede um café, e paga-se 60 cêntimos, já se pagou o imposto por esse café relativo aos deveres da constituição da república... Ou seja, qualquer, taxa, IVA, IMI, IRS, etc., são falsos impostos porque o imposto é para se pagar pelos direitos que se recebem, ou seja, quando se paga a renda de uma habitação, já se pagou o imposto, depois o proprietário paga o IMI, mas isso é pagar imposto por algo que não teve direito, ou seja, falso imposto.

 

Mas, ainda é pior do que parece; o facto é que, um indivíduo que contacte o 112 com chamada originada no seu telemóvel e diga, chamo-me fulano X e o meu número de identidade é o xxxxxxxxx, e estou a ser agredido e impedido de sair da casa de um casal que me convidou a entrar, a resposta ou procedimento usual do 112 é, qual é a morada onde se encontra? E o indivíduo responde que não sabe, que está na localidade Y e foi trazido de automóvel da discoteca, e que a côr da vivenda é azul, a resposta do 112 é, então vou desligar que não posso estar a ocupar a linha... Então, e a segurança, e a capacidade de investigação das forças de segurança, e a localização das coordenadas de GPS do telemóvel ou telefone fixo chamador, etc.; e a resposta é, nada fazem, tudo mentira, cada indivíduo é que tem de se proteger e lutar pela sua segurança...

 

Depois um gajo vai à esquadra mais próxima e diz, estive preso contra a minha vontade, na casa Z, e tal, e ainda leva com perguntas de agente, sem qualquer autoridade sobre ele que faça instrução do processo, o qual deveria ser um magistrado que seria chamado à esquadra e falaria com a vítima, para decidir qual o tipo de crime que foi efectuado... Mas, o que acontece é o oposto, o agente presente na esquadra regista algo que impeça o processo de avançar e causar a instrução do agente para fazer diligências!

 

Penso que é por isso que cada vez mais casas não são pagas ao banco, porque, o indivíduo, ou casal, que contraiu o empréstimo e comprou a casa, já não existem, ou seja, foram assassinados, e os actuais moradores, ou são os ladrões que os limparam (e os ladrões não pagam pelo que têm), ou são outros que ignoram ou são forçados a pagar para viver naquela casa!

 

Aliás, o facto é que apenas os pobres é que têm sossego e descanso, os ricos é que passam a vida rodeados de seguranças privados, mas, hoje em dia, porque existe tanto ladrão, e alguns ladrões são os chamados ricos, que como já roubaram tudo, viram-se para o pobre ou reformado, com baixa pensão, e tenta até sacar-lhe os 100 ou 200 euros que tem para gastar mensalmente... Safa!


mais sobre mim
Maio 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


pesquisar
 
blogs SAPO