comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 07.09.13 às 20:55link do post | favorito

No fundo, esses gajos dos partidos políticos são incompetentes, uma cambada de inúteis, que depende do partido, para tudo, e mais alguma coisa.

 

Um partido político é uma pessoa colectiva, e no seu colectivo é que tem pessoas singulares que sabem disto e daquilo, e uns são especialistas em certas ciências, e outros noutras, mas, o Passos Coelho é um bruto que nada sabe, e necessita de consultar o partido sempre que aparece problema para resolver, e um gajo assim não serve para nada, quanto mais para roubar os pensionistas. Na minha opinião, é ilegal ocupar um cargo por pessoa singular que não está habilitado para tal, e usa terceiros para mostrar resultados, e até é ilegal, alguém assim, se candidatar a um cargo político. O regime precisava era de doutores que se saibam desenrascar sòzinhos, sem precisar de outros, porque nem lhes dizendo o que fazer e dizer, eles conseguem vingar!

 

O mesmo se passa com os juízes, que são todos uns incompetentes, que dependem das perícias de outros, para verificar o sucedido, e este processo de querer descobrir o que realmente aconteceu, é coisa de gente estúpida, que ninguém subscreve, porque todos as partes envolvidas apenas têm um interesse, ganhar dinheiro a julgar os outros, e se ganharem mais a condenar este ou aquele, então assim acontece. A própria justiça e as suas penalizações são demonstração de um governo bárbaro, da idade do ferro, onde a violência e força é lei.

 

É com pesar que assistimos a linchamentos nos meios sociais, o último, um indíviduo declarado homícida de um executor, mas, sem julgamento, nem tribunal que o condene. Como prova o tribunal, que foi esse o homem que disparou a arma? E se a arma não estiver registada, como prova que lhe pertence? E se lá estava a GNR, que garantias existe que não foi um dos guardas, pago por terceiros, que fez tal acto, e fez dele o bode expiatório? Até porque tudo isto por causa de um muro, que afinal estava a ser derrubado pelo filho do morto, parece algo impensável, como é que um executor de mandato judicial leva o próprio filho para executar a ordem do tribunal, e ao mesmo tempo, que tipo de tribunal manda derrubar um muro, em zonas de casas sem qualquer envolvente, ou seja, um muro num terreno com chão de areia, nem passeios tem, nem a casa está pintada, ou seja, construção sem registo ou licenciamento, sem qualquer interesse porque está no meio de nada... Enfim esbanjamento dos meios policiais, e do INEM, tudo porque um juíz incompetente, ou serviços de tribunais, passaram um documento oficial que mandava demolir algo que nem dono registado tem, como é isto possível? Século XXI ou século zero?

 

rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=25&did=121192

cmtv.sapo.pt/atualidade/detalhe/exclusivo-cmtv-sogros-de-homicida-explicam-conflito.html


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 27.08.13 às 22:33link do post | favorito

O senhor é aquele que manda, por isso, diz o povo, és senhor do teu nariz...

 

A questão é que, o senhor, ou senhorio, manda, não é algo opcional que o visado, obedece se quiser, ou seja, ele manda, e o visado executa, sem sequer perceber que está a obedecer a uma ordem de outrém...

 

Isto do senhor, tipo robot, seria o ideal para aplicar aos criminosos e amigos do alheio, incluindo, os guardas, e polícias, e militares, e outros que tais, que querem mandar no que é dos outros, com recurso às armas de fogo! Tipo, um gajo tinha uma lanterna com uma lâmpada super especial, e apontava-se ao intruso, e zás, o gajo ficava em modo robot, a repetir continuamente, vocalmente, "aguardo as suas instruções senhor"! Assim, acabava-se com a criminalidade no mundo, pois os criminosos andavam todos a toque de caixa, a marchar de um lado para o outro, até os seus donos lhes darem novas ordens! E também acabava-se com, as prisões, e tribunais, e advogados, pois a justiça era executada na altura da ocorrência. Depois, assim que se verifica-se que o criminoso já tinha pago, com serviços de mão-de-obra, o estrago, ou ofensa, ao seu senhor, levava com uma pulseira que anulava o modo robot, e ficava em quarentena por algum tempo para analisar o seu comportamento e futura reintegração na sua rotina diária...

 

Pode parecer fantasia, mas, o facto é que há relatos e estudos, de substâncias, geralmente usadas pelos militares, que provocam o desejo constante no soldado, de matar o alvo, e também muitos toxicodependentes, testemunham, que quando ficam a ressacar, por abstinência de droga, ficam com um desejo descontrolado de arranjar dinheiro para comprar mais droga... Estes testemunhos dos toxicodependentes é algo estranho, pois, segundo tais relatos, o desejo nunca é por droga, mas, sim por dinheiro, o qual é gasto imediatamente em droga... O mesmo acontece aos alcoólicos, os quais chegam ao extremo de deixar de comer e pagar as contas, para gastar tudo em vinho...

 

No fundo, a questão, é o que provoca tais desejos descontrolados, e pensamentos fixos, num objectivo, é algo fascinante, e ao mesmo tempo assustador.

 

É minha convicção que um dos maiores crimes actuais, em Portugal, contra o corpo humano alheio, é a extracção de orgãos e outras partes do corpo humano, sempre efectuado por indivíduos que procuram dinheiro para, a sua rotina diária e luxos, chegando tais indivíduos, a raptarem crianças e adultos, com o propósito de extrair, ou pagar a quem faça a extracção, para colocar tal parte do corpo humano numa caixa de esferovite, cheia de gelo, e vender a quem o encomendou... Aliás, sempre que vejo, um deficiente motor, ou deficiente mental, o qual ficou assim sem ser, por acidente de viação, ou similar, tenho quase a certeza que o que aconteceu foi que lhe retiraram, ou múltiplos orgãos, ou algo similar, causando espasmos cerebrais e assim, os quais se manifestam por impossibilidade de, movimentar-se, ou falar, etc.; tudo isto para que, o seu pai, ou mãe (sim, os bebés também para outros bebés filhos de ricos), ou raptor, ou burlão (o qual o engana com falinhas mansas, tipo médico e assim), consiga receber cinco ou dez mil euros!

 

Quem será o senhor desses pulhas?


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 25.08.13 às 11:57link do post | favorito

Não são os prisioneiros que custam tal quantia monetária diária, são os presos, ou seja, os guardas que estão presos pelo impedimento, ou seja, a obrigação do desempenho das funções e responsabilidades atribuídas ao guarda. Em tudo similar aos militares, os quais servem para pouco, ou nada, ao país.

 

rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=25&did=119473

 

O estado é que lhes paga, porquê? Onde está a entidade empregadora? E quem lhes encomendou o serviço?

 

Afinal os criminosos andam à solta, mesmo (excepto no horário do impedimento)...


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 24.05.13 às 14:37link do post | favorito

Agora já não se pode publicar a opinião que um indivíduo tenha sobre outro indivíduo, aliás em pleno século XXI, continuamos a levar com uma justiça que só faz aquilo que lhe pedem.

 

expresso.sapo.pt/ministerio-publico-considera-crime-palavras-de-sousa-tavares=f809321

 

Ora, existe uma grande diferença entre chamar palhaço ao Cavaco Silva, enquanto político (só faz rir), e chamar palhaço ao presidente da república, ou seja, se quando lhe chamam de palhaço estiver fora do exercício do cargo, não pode ser considerado uma ofensa ao presidente, porque o Cavaco Silva não é presidente durante 24 horas por dia, o cargo tem um horário estabelecido...

 

Aliás o Cavaco nem sequer é presidente da república, de acordo com a lei em vigor, e é por isso que a justiça falha, pois irá verificar se tal publicação é uma ofensa ao PR, mas, não irá verificar se o Cavaco é o PR...

 

O Cavaco não passa de um trabalhador, que aderiu ao movimento sindicalista, ou seja, deixou de trabalhar para lutar por melhores direitos, e um gajo, ou trabalha, ou luta, as duas coisas ao mesmo tempo não é possível.

 

Também a justiça podia acusar o Cavaco Silva de anular a democracia, impedindo os que queiram trabalhar em liberdade e segurança, de o fazer. Ele manda e o país paga.

 

O problema afinal é que chamar palhaço ao Cavaco Silva, é o mesmo que chamar-lhe trabalhador, e como não trabalha é mentira, porque o Cavaco Silva nem para exercer a profissão de palhaço serve (doente, na minha opinião, claro!)...


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 28.04.13 às 18:24link do post | favorito

A justiça em Portugal acabou à algum tempo, talvez várias décadas mesmo.

 

Quem tem medo de lutar (e talvez morrer)? Eu não. Sou pobre mas se me atacam, defendo-me e luto até à morte (do adversário claro)! O facto é que desde a minha idade adulta nunca ataquei o meu semelhante, mas, sempre que me atacaram, ou aos meus queridos, lutei, e defendi o meu espaço e soberania.

 

Agora, até quando somos vítimas de tentativa de assalto, e quer lutemos, ou não, para proteger e manter a posse dos bens pessoais, e apresentemos o ocorrido tanto, na PSP, ou na GNR, dependendo da freguesia onde se faça a queixa, depois ainda temos de lutar e defender a carteira da PSP ou GNR... Parece piada, ou anedota, mas, em pleno século XXI, os indivíduos fardados, que se fazem passar por agentes da PSP, ou militares da GNR, enviam carta registada para o queixoso (ou ofendido como eles dizem, o que é uma subtil troca de papéis), e caso este não se apresente na data e hora e local por eles definido, leva coima, ou similar, entre cerca de duzentos euros e até mil e tal euros... Ora se isto não é um ataque à justiça, e furtar os queixosos que apresentem queixa nos postos de segurança territorial, não sei o que seja, até porque os queixosos têm direitos se provarem o sucedido, mas, tais PSP ou GNR ficam com esses direitos anulando a queixa e fazendo-se passar por entidade habilitada a interpretar e aplicar a legislação, quando o dinheiro, que é aquilo que tais entidades (PSP e GNR) visam, e que pertencia ao queixoso, fica na posse dos PSP ou GNR, o qual é o objectivo principal deles, nos dias correntes...

 

Agora, até vítimas de violência doméstica, têm direito a cerca de cinco mil euros... O que na mentalidade dessa gente da PSP ou GNR, é do tipo, se não tem dinheiro para pagar as contas do mês, apanha-se uma bebedeira e espanca a mulher e os filhos, para ela ficar com o dinheiro e depois pagar as ditas contas...

 

Já eu, já fui, espancado, esfaqueado, envenenado (no estabelecimento militar onde fui forçado a cumprir com a instrução militar, que de militar nada tem, sido operado de emergência ao apêndice), furtado, trabalhador sem retribuição, etc., e até à data, os euros que recebi, foi zero.

 

Em pleno século XXI, e afinal as histórias que ouvimos dos tempos da monarquia, onde o rei e seus súbditos, e o clero, e depois no fim o povo, viviam às custas de os tributos aplicados a cada população, caso contrário matavam-nos e destruíam tudo por onde passavam, continua igual, a diferença é que ensinam que a pirâmide inverteu, ou seja primeiro o povo, depois o clero, e por fim o rei e seus súbditos, mas o que se mantém é quem paga tudo é a população, e se não pagar, eles (PSP e GNR e Fisco e etc.) tiram tudo, com recurso à força (se necessário), e se houver resistência (e depois acrescentam, à autoridade, que eles não são) matam (se necessário) para fazer cumprir, dizem eles, a legislação.

 

Eu cá já escolhi, morte aos bófias e assim, que se fazem passar por agentes, mas, que não têm agência, nem superior que os controle, é tudo na base do mando e se desobedecer leva chumbo; pelo que afirmo se me atacam e me matam sem justa causa (não existe justa causa em Portugal pois não à pena de morte, seja qual fôr o crime), também eu mato, ou mando matar tal PSP e GNR, que não passam de animais sem trela.

 

Aliás, um superior, seja, na hierarquia militar, seja, na ordem da natureza, é aquele que nunca toma acções que resultem em diminuição, ou morte, do seu inferior, pelo que sempre que somos atacados por insecto, tipo, cão, melga, ácaro, etc., fica demonstrado que não são nossos superiores, nem inferiores, pois tentam nos prejudicar, e tal como se mata, um cão, ou uma melga, também se deve matar tais PSP e GNR...


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 19.04.12 às 00:19link do post | favorito

Justiça, é algo que só os ladrões sabem o que é, o que significa, e porque existe...

 

Para demonstrar que a república portuguesa é conivente e apoia os crimes praticados em território nacional, serve de comparação, o facto de ter sido noticiado à pouco tempo, que cada recluso custa quarenta euros por dia ao estado português, ou seja, o tratamento prisional que cada recluso recebe mensalmente, custa mil e duzentos euros, por outro lado, um estudante, um trabalhador, um cidadão sem rendimentos, recebe mensalmente do estado zero euros, se quiser comer, tem de comprar e carregar a comida, se quiser roupa lavada tem de a lavar, se quiser um tecto tem de pagar euros, e isto, quer pareça errado, quer pareça incorrecto, é a justiça.

 

O incorrecto e errado, é a ideia, ou propaganda, que um advogado sabe interpretar as leis e defende o seu cliente, quando o facto é que o advogado é apenas alguém que efectua pagamentos em nome de quem representa, ou seja, quando alguém diz, traga o seu advogado, está a dizer, você tem de pagar!

 

Justiça, nestes termos, é quando um ser inferior (o criminoso), consegue prejudicar um ser superior (os senhores de algo), passando a receber o tratamento que pertencia ao senhor (tecto, comida, roupa lavada, e cama)...

 

Quem pediu para a justiça ser servida? Quem quer a justiça?


mais sobre mim
Maio 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


pesquisar
 
blogs SAPO