comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 25.02.14 às 00:25link do post | favorito

O Marinho Pinto vir à RTP-1, e em directo, tomar uma posição de oposição à rede social, nomeadamente, o Facebook, é no mínimo conflituoso, porque dizer mal de algo que é adorado e estimado por milhões de pessoas no mundo inteiro, é algo muito esquisito. Ele não quer é redes pois não quer concorrência ao seu clube.

 

Depois insulta os utilizadores ao dizer que vomitam textos, tudo textos sem nexo. O problema deste linchamento público ao Marinho Pinto, é que colocar tal figura pública, que demonstra pela sua linguagem verbal e posição social, ser um ser humano desagradável, com uma mentalidade poética filosófica estranha; tem por outro lado, uma bagagem cultural, uma bagagem académica, e uma bagagem educacional parental, que o coloca noutro universo, do comum do telespectador, e do comum habitante da cidade (lá diz o povo, um a falar de alhos, e o outro de bugalhos)... Falar que o Facebook, ou outra rede social, é perigosa, é uma mentira, e uma ofensa, aos meios de comunicação, tudo porque alguém se suicidou por causa do ciber-bulling... Ora, se o Facebook é perigoso, um telemóvel é um atentado à, segurança pública, ou até nacional, pois qualquer um pode enviar SMS, ou até telefonar, ao calhas, para um número inventado e começar a ofender o indivíduo que atender... Se tal ofendido não se queixar, do SMS ou telefonema ofensivo, nada acontece, porque não existe entidade reguladora que ouça e leia todas as comunicações... Ridículo! Uma gaja recebe um SMS a dizer, és uma porca, ela lê, depois mais tarde, verifica que cheira um pouco a súor, e atira-se para debaixo do comboio; isto é bulling ou pura estúpidez! Também disse que a internet é um local onde uma criança pode entrar num bordel, e na cidade uma criança não entra num bordel, mas, aqui pergunto, o Marinho Pinto é doutor em quê? Então mas esse gajo acha que uma criança vai a uma loja e compra um computador e faz contrato de ISP, que estupidez... Uma criança que tenha internet, tem visionamento parental, e os pais podem bloquear todo o tipo de conteúdos que achem impróprios para a educação da criança. Por outro lado, uma criança que entre num bordel online, nada mais fará que aprender algo que desconhecia (ou não), e no fundo a curiosidade numa criança é algo muito vantajoso!

 

Mas, este tipo de gente, ou discurso de figura pública, não é exclusivo do Marinho Pinto, basta lêr a seguinte notícia:

 

rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=27&did=140128

 

Missa cantada? Qual a religião ou filosofia? Rouba, mata, e mente.

 

Aliás, estas coisas, dos direitos, dos deveres, da justiça, é um clube privado, cujos membros há anos que usam rede social, ou seja, comunicam diàriamente uns com os outros, através de diversos meios, desde, telefone, fax, walkie-talkie, etc.; e só quem pertence a esse clube é que tem justiça. Já a minha pessoa singular, já foi, agredida, esfaqueada, roubada, furtada, intoxicada, etc., tudo com o conhecimento das autoridades policiais e nacionais, e nunca recebi qualquer indemnização, nem sequer fui convocado para me defender ou queixar em tribunal, mas, se eu soubesse o que dizer e com quem falar já estaria a andar de Ferrari, para cima e para baixo, ou até para ir ao café...


comentar
publicado por Lisboeta1970-, em 23.08.13 às 20:42link do post | favorito

Sempre que se ouve, o governo isto, o estado aquilo, os ctt agora são banco, etc., deve-se trocar por, os clandestinos isto, os clandestinos aquilo, os clandestinos agora são banco...

 

São clandestinos que se infiltraram nos serviços, e se fazem passar por superiores hierárquicos, mas, nem o nome verdadeiro deles sabemos. Depois são empresas que fazem sub-empreitadas, para outras empresas, que fazem muitos dos serviços, mas, este esquema do empurra o serviço sabe-se lá para quem, são prova da clandestinidade, pois uma empresa não deve aceitar trabalhos para os quais não tenha capacidade de executar, mas, tais clandestinos fazem-no, com o intuito de entregar o trabalho a outros e lucrar com tais situações...

 

Aliás, os clandestinos em tudo o que tentam controlar, têm sempre o mesmo objectivo, aumentar o preço de venda, e diminuir o salário do trabalhador, seja por que meios fôr, quase sempre com mentiras e enquadramentos legais errados.

 

Aliás, a própria obrigação de todos entregarem a declaração do IRS nas finanças, mesmo que não tenham auferido IRS, quando na realidade auferiram rendimentos livres de impostos, ou seja, dinheiro que não tem proveniência do IRS, mas, tal obrigação é erradamente generalizada, para depois ficarem com as taxas sobre o IRS, e aproveitam para aplicar a taxa aos outros rendimentos, enganando as autoridades pois dizem ser doacções dos titulares de tais rendimentos, o que é falso.


mais sobre mim
Maio 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds